Português   English   Español

Protestos elevam pressão sobre governo Ortega na Nicarágua

Manifestantes continuam nas ruas mesmo após presidente desistir da reforma da previdência. Pela primeira vez em 11 anos de governo, Ortega e Murillo, sua esposa e vice-presidente, se veem confrontados com pedidos de renúncia.

O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, foi forçado a anunciar revogação da sua controversa reforma da previdência social no domingo (23) após amplos protestos desde 18 de abril, nos quais morreram 27 pessoas e mais de cem ficaram feridas.

No entanto, pelo que parece, o recuo do presidente não diminuiu o ímpeto dos manifestantes. Na segunda-feira (24), milhares de pessoas saíram às ruas em Manágua e outras cidades para pedir, pacificamente, a renúncia de Ortega e de sua esposa e vice-presidente, Rosario Murillo, que foram acusados de repressão e violação dos direitos humanos em seus 11 anos à frente do país.

De acordo com informações da DW:

A inesperada brutalidade com que as forças de segurança investiram contra os nicaraguenses levou também à ruptura de diálogo entre o mandatário e o empresariado. A aliança do antigo guerrilheiro com os grupos econômicos mais poderosos do país, antes seus adversários, é um dos fatores que garantiram sua prolongada permanência no poder.

Analistas afirmam que os protestos são um ponto de inflexão na história recente da Nicarágua e, muito mais do que a fracassada reforma da previdência, eles refletem também outros problemas graves do país, como a escassez de petróleo venezuelano, que era uma garantia de funcionamento para o país da América Central.

Por falar em Venezuela, o governo da Nicarágua é um dos poucos aliados da ditadura de Nicolás Maduro na América Latina. O próprio Maduro declarou que seu parceiro estava sendo alvo de uma ‘emboscada’.

O jornal Estadão também publicou matéria sobre a alta instabilidade atual enfrentada pelo governo da Nicarágua.

Os estudantes que desde o dia 18 ocupam as ruas questionam a rigidez do governo. Ortega e Rosario mantêm controle sobre todas as instituições do Estado: Exército, polícia, Congresso e tribunal eleitoral. Seus antigos aliados o acusam de minar os ideais sandinistas, de autoritarismo e nepotismo – seus oito filhos são donos ou diretores de estatais e alguns ocupam cargos públicos.

“Na década de 80, Ortega era parte de um projeto de mudança revolucionária, agora é um capitalista amante do poder, dedicado a aumentar seus privilégios, sua fortuna”, disse a ex-guerrilheira Mónica Baltodano, que deixou a FSLN em 2000. “Ele defende o poder com os mesmos métodos da ditadura de Somoza.”

Os aliados descrevem Ortega como um homem pragmático e político hábil, protegido por líderes da esquerda latino-americana, como Nicolás Maduro, Raúl Castro e Evo Morales. Sua imagem, porém, vem se deteriorando desde as acusações de abuso sexual, feitas em 1998 por sua enteada, Zoila América, atualmente exilada na Costa Rica.

Twitter
WhatsApp
Facebook
Google+
LinkedIn
Pinterest

Deixe seu comentário

Veja também...