Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Queimadas na Amazônia estão abaixo da média, diz NASA

Queimadas na Amazônia estão abaixo da média, diz NASA
COMPARTILHE

Brasil está sendo alvo de uma grande ofensiva midiática com base nas tradicionais queimadas que assolam a região amazônica todos os anos.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) registrou 72.843 incêndios este ano no Brasil.

“Um aumento de 80% em relação ao ano passado”, grita a velha imprensa ao se deparar com as informações do Inpe.

Mas este número é realmente alarmante?

Em texto publicado dias atrás no site “Earth Observatory“, a NASA, agência espacial dos Estados Unidos, fala sobre o início da temporada das queimadas na Amazônia.

Após uma breve explicação sobre os motivos envolvidos na proliferação de incêndios nesta época do ano na região amazônica, a NASA afirma:

“A partir de 16 de agosto de 2019, observações por satélite indicaram que a atividade total de incêndio na bacia amazônica estava ligeiramente abaixo da média em comparação com os últimos 15 anos.”

E acrescenta:

“Embora a atividade tenha sido acima da média no Amazonas e, em menor escala, em Rondônia, ela tem sido abaixo da média em Mato Grosso e Pará, de acordo com o Banco Mundial de Emissões de Incêndio.”

Já nesta quarta-feira (21), em mensagem no perfil oficial da NASA no Twitter, a agência afirmou que “embora seja estação de fogo no Brasil, o número de incêndios pode ser recorde”. Nenhuma estatística foi apresentada para embasar a suposição.

Enquanto isso, nas redações dos grandes jornais internacionais e nacionais, a narrativa sendo desenvolvida é que o Brasil está em chamas e que o grande culpado é o presidente da República, Jair Bolsonaro.

“Amazônia está pegando fogo em taxas recordes. As chamas são tão grandes que a fumaça pode ser vista do espaço. Especialistas afirmam que os incêndios podem ter grandes impactos climáticos”, diz o site National Geographic em matéria publicada nesta quarta-feira (21).

Nas redes sociais, um alto número de informações falsas segue sendo compartilhado com o objetivo de danificar a imagem do Brasil no que diz respeito ao trabalho de conversação da maior floresta tropical do planeta.

Não resta dúvidas de que a Amazônia brasileira está sendo alvo de uma campanha de desinformação promovida por ativistas ambientais e veículos de imprensa.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE