Redes sociais apoiam greve dos caminhoneiros

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O apoio à greve dos caminhoneiros nas redes sociais tem sido grande, apesar dos transtornos à população, como o desabastecimento de combustíveis e de outros insumos pelo País.

De acordo com monitoramento realizado pela empresa Torabit durante toda a quinta-feira (24) e até as 12h desta sexta-feira (25), 52,2% das menções sobre a greve dos caminhoneiros são positivas em relação ao movimento. Outros 37,8% são neutros e apenas 10% dos comentários são negativos.

A pesquisa reúne as reações explicitadas no Twitter, Instagram, Facebook e em seções de comentários de blogs e sites.

De acordo com informações da Exame:

Embora parte do movimento esteja se distanciando somente da questão do preço do diesel – que foi o estopim da greve -, o sócio da Torabit, Caio Túlio Costa, diz que ainda é cedo para se saber se o movimento passou a englobar a situação econômico-política do País como um todo. Ainda é cedo, diz ele, para comparar o que acontece hoje com o movimento da alta do metrô em São Paulo, em 2013.

Quando se analisa o conteúdo das mensagens na internet, 53,4% demonstram apoio explícito ao movimento, enquanto 27,2% são piadas, 8,4% são comentários sobre notícias, 6,5% recontam casos do cotidiano e 4,5% são totalmente contrários à greve.

“Apesar de as pessoas sentirem os efeitos da greve, a reação ao movimento é altamente positiva”, diz o especialista.

As mulheres têm comentado mais sobre o movimento do que os homens, compondo 55,5% das reações captadas pela Torabit.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.