Quase 93% dos refugiados em acampamento na Grécia são homens

O acampamento de Moria, na ilha grega de Lesbos, está superlotado e em péssimas condições.

Enquanto a grande mídia e as ONGs focavam no sofrimento de mulheres e crianças, esqueceram de comentar porque a Grécia teria bons motivos para fechar o campo de refugiados. Afinal, de um total de 5,206 pessoas, apenas 162 são crianças desacompanhadas e 216 são mulheres, de acordo com o portal grego Iefimerida.

Isto significa que aproximadamente 93% dos refugiados no acampamento são homens que provavelmente deixaram suas mulheres e filhos para trás em países da África e Oriente Médio; ou têm outros motivos para viajarem ao continente europeu.

De acordo com o jornal grego, há pessoas de quase 50 nacionalidades diferentes no acampamento, o que faz com que a Grécia enfrente dificuldades em definir quem deve ser enviado de volta e quem deve ter o direito de permanecer o país.

Enquanto mulheres e crianças sempre serão merecedores de um lugar em boas condições e com boa segurança, é importante discernir que tipo de “refugiado” pode representar uma ameaça ao povo grego.

 

Matéria traduzida e adaptada de Voice of Europe.
João Guilherme
João Guilherme
Estudante e interessado em política, história e religião.

1 Comentário

  1. Rasputin38 disse:

    “Enquanto mulheres e crianças sempre serão merecedores de um lugar em boas condições e com boa segurança”

    Ah tá, é fisicamente impossível uma mulher cometer qualquer crime né!? Isso sem falar em crianças psicopatas (minoria absoluta, mas que não pode ser ignorada)

    Canalhas. Depois é a “direita” que é preconceituosa. Tenho nojo dessas políticas anti-homem, anti-hetéro, anti-branco. NOJO!!!

    Acredito que esse Voice of Europe também não concorda com isso, mas precisa colocar essa resalva, senão vão ser processados e censurados pelo governo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *