Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Refugiados venezuelanos caminham 200 km para chegar até Boa Vista

COMPARTILHE
Capa: Werther Santana/Estadão

Falta de recursos para comprar passagem de ônibus de Pacaraima até Boa Vista, capital de Roraima, leva refugiados a andarem por até cinco dias na BR-174 sob sol forte e dormirem no acostamento.

A cada dia, mais venezuelanos entram no Brasil através do município de Pacaraima. Às 7 horas de todas as manhãs, o posto da Polícia Federal no município já acumula mais de cem pessoas na fila. Segundo agentes da PF, mais de 700 imigrantes estão cruzando a fronteira diariamente, a maioria com destino a Boa Vista.

De acordo com informações do Estadão:

[…] dezenas de venezuelanos faziam o percurso a pé na última quinta-feira, quando a reportagem esteve no local. Debaixo de uma temperatura de 34°C nos momentos mais quentes do dia, eles caminham somente com uma pequena mala ou mochila, sem comida na bagagem nem protetor solar na pele. Para agilizar o trajeto, alguns tentam uma carona, mas poucos eram atendidos. A viagem, que de carro leva três horas, costuma durar de quatro a cinco dias a pé.

No período da noite, os estrangeiros dormem em comunidades indígenas nas margens da estrada ou estendem um lençol no acostamento da rodovia. Em alguns trechos mais estreitos da BR-174, porém, nem acostamento existe e os imigrantes pernoitam no meio da mata.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro publicou uma vídeo onde conversa com alguns refugiados da Venezuela durante esta caminhada em direção à capital do estado de Roraima.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários

PUBLICIDADE