Regime da Nicarágua demite médicos por socorrer manifestantes

Dezenas de funcionários foram demitidos de hospital, vinculado ao Ministério da Saúde, “sem qualquer justificativa legal”, denunciaram os próprios envolvidos.

Ao menos 40 médicos e enfermeiras de um hospital público da Nicarágua foram demitidos nesta sexta-feira (27) por atender manifestantes feridos e apoiar os protestos contra o “presidente” Daniel Ortega, informaram fontes médicas e um grupo humanitário.

As demissões aconteceram porque “dizem que fomos solidários e apoiamos” a luta do povo, declarou à AFP o chefe do departamento de cirurgia e endoscopia do hospital, Javier Pastora, ele próprio um dos demitidos.

O médico, que trabalhava há 33 anos no sistema público de saúde, informou que entre os demitidos há ao menos oito médicos especialistas, três enfermeiras e um técnico de laboratório.

 

Adaptado da fonte AFP
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia