Relatos de ataques contra mulheres no Afeganistão do Talibã

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Mulheres estão correndo perigo no Afeganistão controlado por radicais islâmicos.

O reinado de terror do Talibã começou no Afeganistão. Extremistas estão indo de porta em porta com uma “lista negra” e as mulheres já começaram a enfrentar atos de violência com base na lei islâmica de Sharia.

Relatos perturbadores já foram surgindo em várias regiões do país à medida que o governo entrou em colapso e o Talibã voltou ao poder mais uma vez — quase 20 anos depois de ser expulso pelos Estados Unidos.

Ao longo do avanço do Talibã pelas províncias do país, mulheres foram mortas a tiros e meninas de 12 anos arrastadas de suas casas para “casar” com membros da organização.

Segundo o tabloide britânico The Sun, relatos apontam que uma mulher foi condenada à morte por apedrejamento em Samangan.

Lideranças do Talibã já se comprometeram a retomar esse tipo de punição. Um porta-voz do grupo disse, no último domingo (15), que eles deixarão as decisões sobre punições para seus “tribunais”.

No entanto, ao que tudo indica, a primeira missão dos terroristas em Cabul é procurar por nomes em uma “lista negra” de pessoas que possam ter ajudado as forças dos EUA, do Reino Unido e de outras nações durante a ocupação ocidental.

Como noticiou o portal RenovaMídia, um jornalista local denunciou que os terroristas estão supostamente indo de porta em porta em Cabul para caçar soldados, policiais, funcionários do governo e membros da imprensa.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.