República Checa diz que UE não decide quem deve viver no país

O novo primeiro-ministro da República Checa, Andrej Babis, disse que não há a menor chance do governo do país aceitar refugiados como parte do sistema de cotas da União Europeia.

Em discurso ao parlamento checo, Babis declarou:

Nós certamente não aceitaremos ninguém. Estamos decididos contra qualquer um que nos ditem quem deve viver e trabalhar em nosso país. Estas cotas dividem a Europa e não são eficazes.

Juntamente com outros países da Europa Oriental, a República Checa enfrenta um processo judicial da União Europeia pelo fato de não aceitar realocação de migrantes da Itália e da Grécia.

“Nós consideramos absurdo que a Comissão Europeia nos processe por algo que seja bobagem”, disse Babis.

A oposição contra os planos da UE para realocação de migrantes está crescendo, já que países como a Áustria, a Croácia e a Bulgária parecem estar se juntando aos quatro países do Grupo de Visegrad: Eslováquia, Hungria, Polônia e República Checa.

 

Com informações de: [PM]
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia

2 Comentários

  1. Maslow disse:

    PARABÉNS!!!

  2. Alyssa disse:

    excelente notícia. felizmente ainda existem governantes como estes no mundo e, graças a Deus, no Brasil há políticos como o Bolsonaro para dar ao brasileiro um sopro de esperança. estou a torcer para que o novo governante Italiano vá lá seguir esse mesmo caminho do grupo de Visegrad, tal e qual é suposto que está a fazer a Áustria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *