Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Resolução do governo Doria pode inflar número de mortos por coronavírus

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia
COLUNA: João Doria e a isentosfera burra
Imagem: Miguel Schincariol / AFP

Determinação do governo Doria pode abrir brecha para inflar registros de vítimas do coronavírus em São Paulo.

Em meio à pandemia do novo coronavírus, uma controversa resolução da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo determina que:

“Qualquer cadáver, independentemente da causa da morte ou da confirmação de exames laboratoriais, deve ser considerado um portador potencial de infecção por Covid-19.”

O texto foi publicado nesta sexta-feira (27) no Diário Oficial do Estado, mas foi assinado no última dia 20 de março. Confira a íntegra.

Para especialista da área ouvido pelo site O Antagonista, essa determinação pode abrir brecha para inflar registros de “vítimas do Covid-19”.

A norma ainda estabelece: 

“Todo cadáver, com suspeita ou não de infecção pelo Covid-19 (novo Coronavírus), em ambientes extra ou intra-hospitalar, sem nenhum indício ou suspeita de crime, ficará sob responsabilidade do Serviço de Verificação de Óbitos do Município (SVOM).”

O governo João Doria afirma que as regras são para “resguardar a saúde dos servidores da perícias criminal oficial, quanto para reduzir as possibilidades de contágio e disseminação da doença”.

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, os médicos que atuam nas dez ambulâncias de Suporte Avançado de Vida (SAV) do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e os do Grupo de Resgate e Atenção às Urgências e Emergências (Grau) da capital paulista passarão a atestar mortes naturais, indefinidas e causadas pela Covid-19 ocorridas fora dos hospitais.

“Os profissionais do Samu foram avisados sobre a nova função em reuniões ocorridas nesta semana com a coordenação do serviço, mas ainda não há uma data para iniciarem o trabalho”, diz o jornal. A Folha alega ter tido acesso ao conteúdo discutido nos encontros.

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Comentários

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Outras Notícias