Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Réu diz que foi orientado a apagar provas contra o tucano Beto Richa

COMPARTILHE

Maurício Fanini diz que foi alertado por um ex-procurador-geral do Estado de que seria preso. Além disso, afirma que Richa nomeou Ezequias Moreira secretário para protegê-lo da Justiça.

A proposta de delação premiada de Maurício Fanini, réu na Operação Quadro Negro, aponta para o vazamento de informações e para a interferência do ex-governador Beto Richa (PSDB) em processos de investigação envolvendo membros do Executivo estadual.

As informações foram divulgadas com exclusividade pelo Paraná TV , da RPC, na edição desta terça-feira (5).

Vale ressaltar que o acordo de colaboração ainda não foi fechado com a Procuradoria-Geral da República (PGR), tampouco homologado pela Justiça.

De acordo com informações da Gazeta do Povo:

Em seu relato aos investigadores, Fanini conta que foi avisado de que seria preso, em julho de 2015, pelo ex-procurador-geral do Estado Sérgio Botto de Lacerda (2003-2007). No aviso, Lacerda teria orientado Fanini a eliminar provas que o ligassem a Richa, como dados em computadores, mensagens, dinheiro vivo e fotografias.

Em setembro de 2017, o ex-diretor foi preso no âmbito da Quadro Negro. Em maio deste ano ele foi transferido para Brasília por questões de segurança.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários