Sacerdotes chineses treinados nos princípios socialistas

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O Partido Comunista da China, sob comando de Xi Jinping, expandiu sua repressão religiosa ao Cristianismo, Islamismo e Taoísmo.

Em uma matéria publicada na sexta-feira (31), o Global Times cita um sacerdote taoísta “patriótico” que insiste que a religião chinesa nativa não é suficientemente chinesa sem “valores socialistas centrais”.

Sob a liderança de Xi Jinping, Pequim lançou uma cruzada para implementar a “sinificação” da religião: torná-la mais “chinesa”, colocando todas as religiões sob o controle total do Partido Comunista.

A China reconhece cinco religiões legais: budismo, islamismo, taoísmo, catolicismo cristianismo.

O regime comunista iniciou uma campanha para substituir as lideranças destas religiões no país por figuras que estejam de acordo em prestar subserviência ao líder Xi Jinping.

O clero que o regime permite que permaneça no poder é forçado a passar por “treinamentos extensivos” no Instituto Central do Socialismo, com objetivo de doutrinar os padres na ideologia marxista.

O instituto é projetado para indivíduos que não são membros do Partido Comunista, mas devem ser ensinados a aceitar os princípios da classe dominante.

Sacerdotes nessas classes estão sendo ensinados a promover o socialismo, o esquema da Nova Rota da Seda e compreender a “glória do pensamento de Xi Jinping”.

 

Traduzida e adaptada de Breitbart

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.