Segurança de Lula agride repórter em passagem de caravana pelo Sul

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

A equipe de segurança do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva agrediu o repórter do jornal O Globo na tarde desta segunda-feira (26) em Francisco Beltrão, onde a caravana do petista passou.

O repórter filmava a abordagem de dois homens ligados à caravana petista a um carro de manifestantes quando um dos seguranças o agrediu com um soco no rosto. Dois homens do Exército que fazem a escolta pessoal do ex-presidente intervieram e afastaram o agressor, que não foi identificado.

O ataque ao repórter ocorreu no acesso ao aeroporto de Francisco Beltrão, onde o ex-presidente havia acabado de embarcar rumo a Foz do Iguaçu (PR).

Desde que chegou na cidade, a caravana de Lula é alvo de manifestações. Grupos bloquearam a passagem da caravana que o petista faz pela região Sul em Francisco Beltrão (PR). Lula, porém, conseguiu driblar o bloqueio em um carro particular enquanto os manifestantes se concentravam nos ônibus que integram a caravana.

Um pouco antes da agressão ao repórter, o mesmo segurança abordou um carro de um dos manifestantes e retirou o motorista do veículo agressivamente com tapas e empurrões. No veículo, foram encontrados quatro pneus e uma garrafa de querosene. A passagem do ex-presidente pelo sul do País tem sido marcada por manifestações, às vezes violentas, e tentativas de bloqueio à comitiva petista. Em Passo Fundo (RS), sexta-feira, manifestantes conseguiram impedir a entrada de Lula na cidade.

De Francisco Beltrão o ex-presidente deve seguir para Foz do Iguaçu, em voo fretado.

Dezenas de pessoas usaram carros e caminhões para fechar o trânsito nas duas entradas de Francisco Beltrão ainda no início da manhã. A comitiva do ex-presidente pernoitou em São Miguel do Oeste (SC), de onde saiu com mais de uma hora de atraso devido a duas entrevistas concedidas por Lula a uma rádio de Curitiba e uma TV da Argentina.

Alertados sobre o bloqueio, os organizadores da caravana fizeram uma parada não planejada de quase uma hora poucos quilômetros depois da divisa entre Santa Catarina e Paraná. A imprensa foi impedida de chegar perto do ônibus do ex-presidente. Lula e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, foram transferidos para um carro de passeio que os levou até a praça central de Francisco Beltrão, onde participaram de um ato em defesa da reforma agrária.

O restante da comitiva seguiu de ônibus até a entrada da cidade. Dois ônibus carregavam dezenas de militantes petistas. Eles foram incorporados à caravana com o objetivo de formarem uma espécie de escolta para Lula. Na entrada de Francisco Beltrão, os militantes foram levados até um ponto próximo do bloqueio, onde fizeram uma manifestação a favor do ex-presidente.

O trânsito só foi restabelecido depois que o juiz Márcio de Lima, acompanhado da Polícia Militar, negociou um acordo com manifestantes dos dois lados.

Questionado sobre a agressão, a assessoria do ex-presidente informou que Lula repudia qualquer ato de violência e que vai apurar o ocorrido.

 

Com informações de: [IstoE]

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.