Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Sérgio Moro levou 22 minutos para decretar prisão de Lula

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia
Capa: Evaristo Sa/AFP

Vinte e dois minutos, foi esse o tempo que transcorreu entre o recebimento pela 13ª Vara Federal de Curitiba do ofício do TRF-4 autorizando a execução da pena de 12 anos e um mês de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a decisão do juiz Sérgio Moro decretando a prisão do ex-presidente.

Segundo o sistema de acompanhamento processual da Justiça Federal do Paraná, o ofício do TRF chegou à vara curitibana às 17h31 desta sexta-feira. Às 17h53 foi proferida a decisão de Moro, que determinou que o ex-presidente se apresente à Polícia Federal até as 17h de sexta-feira.

No dia seguinte à rejeição do habeas corpus de Lula pelo Supremo Tribunal Federa (STF) a 8a. Turma do TRF 4 agiu rápido e já expediu a Moro autorização para a prisão do ex-presidente, visto que ele se enquadra nos casos de réus condenados em segunda instância, que podem ter o cumprimento de pena antecipado, como entendeu o STF. “Considerando o exaurimento dessa instância recursal – forte no descabimento de embargos infringentes de acórdão unânime -, deve ser dado cumprimento à determinação de execução da pena, devidamente fundamentada e decidida nos itens 7 e 9.22 do voto condutor do Desembargador Relator da apelação, 10 do voto do Desembargador Revisor e 7 do voto do Desembargador Vogal”, escreveu o juiz federal Nivaldo Brunoni, que está substituindo o desembargado João Pedro Gebran Neto, relator do caso, em férias. “Destaco que, contra tal determinação, foram impetrados Habeas Corpus perante o Superior Tribunal de Justiça e perante o Supremo Tribunal Federal, sendo que foram denegadas as ordens por unanimidade e por maioria, sucessivamente, não havendo qualquer óbice à adoção das providências necessárias para a execução”, acrescentou.

O posicionamento da Oitava turma surpreendeu até mesmo o presidente do TRF4, desembargador Carlos Eduardo Thompson, que, horas antes, em entrevista à Rádio BandNews, disse que o processo para a prisão de Lula levaria até 30 dias para ser concluído.

O presidente do Tribunal havia declarado:

A partir da decisão de ontem (negativa do habeas corpus) a ministra Cármen Lúcia deve dirigir um ofício a mim, como presidente do Tribunal, dando notícia do julgamento de ontem e que aquela liminar que protegia o ex-presidente foi revogada. A partir daí noticia-se que a defesa do ex-presidente deve interpor um novo recurso de embargos de declaração. Se for interposto esse novo recurso, o relator pode comunicar o cumprimento da decisão após o julgamento desses embargo”.

No entendimento da Oitava Turma, no entanto, os novos embargos da defesa de Lula não teriam efeito suspensivo, sendo, assim, permitida a execução da pena já neste momento.

 

As informações são do jornal Paraná Portal

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Comentários

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Outras Notícias