Sites dizem que presidiária trans romantizada pela Globo matou criança

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Sites afirmam que trans está presa desde 2010 por estupro de vulnerável e homicídio triplamente qualificado.

O programa Fantástico, da Rede Globo, apresentou uma reportagem, no dia 1º de março, sobre as condições de presos transexuais no Brasil.

Apresentada pelo médico Drauzio Varella, a reportagem apresentou o caso de algumas detentas transexuais, entre elas, foi apresentado “Suzy”, de 30 anos.

Suzy de Oliveira afirmou que não recebia visitas há 8 anos, que trabalhava na prisão e estava separada do marido.

Após a sua história ter sido contada, a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) informou que, até a última sexta-feira (6), a Penitenciária José Parada Neto, em Guarulhos, onde a presa Suzy está recolhida, recebeu 16 livros, duas bíblias, maquiagens, chocolate, envelopes, canetas e centenas de cartas, algumas delas de grupos religiosos.

A informação acima foi compartilhada pelo portal G1, da própria Rede Globo. O que não consta na reportagem do Fantástico, nem na matéria do G1, é o motivo pelo qual a trans está presa.

De acordo com informações do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, Suzy de Oliveira nasceu homem e foi batizado como Rafael Tadeu de Oliveira dos Santos.

A informação foi publicada inicialmente pelo blog do Movimento Brasil Livre (MBL) e, posteriormente, confirmada pelo site O Antagonista.

Ela estaria presa desde 2010 por estupro de vulnerável e homicídio triplamente qualificado.

De acordo com informações do processo:

“Em uma segunda-feira do mês de maio de 2010, na Rua Santa Catarina, nº 34, no bairro União de Vila Nova, na Comarca da Capital, o revisionando praticou atos libidinosos consistentes em sexo oral e sexo anal com o menor Fábio dos Santos Lemos, que à época contava com apenas 09 anos de idade. Consta, também, que logo após o ocorrido, com a finalidade de assegurar a impunidade pelo crime anterior, o peticionário matou o ofendido mediante meio cruel, consistente em asfixia, e se valendo de recurso que impossibilitou a defesa da vítima, haja vista tratar-se de criança, com mínima capacidade de resistência.”

Durante o processo, Suzy/Rafael afirmou que era vizinho do menor, tinha conhecimento que ele passava o dia desacompanhado e aproveitou o momento da ausência da mãe para efetuar o crime.

O trans afirmou que, de forma premeditada, se aproveitou de um argumento para entrar na casa do menor, e praticou o “infante atos libidinosos consistentes em sexo oral e sexo anal, matando-o em seguida”.

Também nos processos, a tia de Suzy, Carlita Teixeira dos Santos, afirmou que a sobrinha já possuía um longo histórico de problemas e abusou que cometera no passado:

“Ele roubava, mentia, não ia para a escola, até doze anos coisas de criança, mas depois dos doze começou a roubar com arma, usava maconha. (…) Fiquei sabendo que ele trabalhava na padaria e foi acusado de estar abusando de uma criança de três anos e os parentes da criança foram na minha casa atrás dele, querendo matar ele. Fiquei sabendo que ele foi passar férias na casa do irmão e tentou estuprar meu sobrinho de cinco anos, quatro a cinco anos. (…) Na escola era acusado de pular o muro da escola, ir no banheiro passar a mão em alguém, roubava os professores, de estupro (…).”

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.