Sobe o número de agressões contra jornalistas no México

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O violento processo eleitoral pelo qual o México está passando tornou os jornalistas ainda mais vulneráveis às agressões.

Segundo denúncias de organizações defensoras da liberdade de expressão nesta segunda-feira (18), foram documentados 45 casos deste tipo nos primeiros cinco meses do ano.

Em entrevista coletiva, Balbina Flores, representante no México da ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF), declarou:

Dessas 45 agressões há uma cifra negra, e é essa que nos preocupa porque é a que não está sendo denunciada.

Assim, o número real de agressões contra repórteres entre 1º de janeiro e 31 de maio de 2018 seria maior, pois “muitos jornalistas preferem o silêncio para manter sua segurança nas zonas de risco”, acrescentou a especialista.

De acordo com informações do BOL:

O México, que terá eleições gerais em 1º de julho, é considerado um dos países mais perigosos para exercer o Jornalismo, com mais de 100 comunicadores assassinados desde 2000. A maior parte dos crimes permanece impune.

E ao longo do ano ao menos cinco foram assassinados.

Sobre as 45 agressões contra repórteres documentadas pelo RSF e pelo Centro de Investigação e Capacitação Proposta Cívica, 16 foram contra mulheres, 29 contra homens e quatro contra meios de comunicação.

A maioria delas incluiu ameaças, agressões físicas e campanhas de desprestígio ocorridas na Cidade do México, Puebla, Morelos e Tamaulipas.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.