Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

STF dá prazo para governo explicar relatório sobre “antifascistas”

Ministra Carmén Lúcia suspende ações policiais em universidades
COMPARTILHE

Ministério da Justiça precisará explicar relatório sobre servidores "antifascistas".

Cármen Lúcia, ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), deu 48 horas, nesta terça-feira (4), para que o governo Jair Bolsonaro preste informações sobre um relatório sigiloso com informações de quase 600 servidores públicos, a grande maioria ligada a movimentos autodenominados antifascistas.

A ministra é relatora de uma ação do partido Rede Sustentabilidade.

A sigla pede a “imediata suspensão da produção e disseminação de conhecimentos e informações de inteligência estatal produzidos sobre integrantes do ‘movimento antifascismo’ e professores universitários”.

Em sua decisão, segundo o portal G1, Cármen Lúcia diz que, se o conteúdo da denúncia for verdadeiro, o quadro “escancara comportamento incompatível com os mais basilares princípios democráticos do Estado de Direito e que põem em risco a rigorosa e intransponível observância dos preceitos fundamentais da Constituição”.

André Mendonça, ministro da Justiça e da Segurança Pública, anunciou, nesta segunda-feira (3), a demissão de Gilson Libório de Oliveira Mendes, diretor de Inteligência da Secretaria de Operações Integradas (Seopi). 

Em nota à imprensa, como noticiou a RenovaMídia, a assessoria de comunicação do Ministério informa que Mendonça determinou a instauração de uma sindicância interna para apurar o trabalho da secretaria.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comentários_

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da RenovaMídia.

Ao comentar você concorda com nossos termos de uso e política de privacidade.

Assinar
Notificar quando
guest
0 Comentários
Feedbacks em linha
Ver todos os comentários