Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

STF permite propaganda eleitoral em universidades públicas

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Os gastos do STF com passagens para mulheres de ministros
COMPARTILHE

Em outubro de 2018, coordenadores de cursos e professores fizeram aulas públicas a favor do PT.

O Supremo Tribunal Eleitoral (STF) finalizou, nesta quinta-feira (14), o julgamento da ação que assegura a permissão de propaganda política, mesmo durante o período eleitoral, em instituições de ensino público do Brasil

De forma unânimes, os ministros consideraram que ações de professores durante a campanha presidencial de 2018 favoráveis a Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT), em detrimento de Jair Bolsonaro não poderiam ter sido inibidas.

Os magistrados justificaram a decisão alegando o risco de ferir a liberdade de cátedra e a livre manifestação de ideias.

O voto da relatora da ação, a ministra Cármen Lúcia, que libera a propaganda eleitoral feita por professores, foi seguido pelos outros ministros da Corte. 

Por enquanto, além dela, foram divulgados apenas os argumentos dos ministros Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello, destaca o jornal Gazeta do Povo.

Em outubro de 2018, coordenadores de cursos e professores fizeram aulas públicas em diversas universidades em que distribuíram folhetos a favor de Haddad, classificando Bolsonaro de fascista. 

Na época, juízes eleitorais emitiram mandados de busca e a apreensão de panfletos e materiais de campanha eleitoral em pelo menos 21 universidades e em dependências de sedes de associações de docentes.

- PUBLICIDADE -
TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram