Suécia volta atrás e vai estudar relação da imigração com criminalidade

A agência de estatísticas criminais sueca, Brå, anunciou que irá rever a decisão de não fazer um estudo aprofundado da relação entre imigração e criminalidade, alegando que houve uma grande demanda recente por dados sobre o assunto.

O anúncio foi feito na última terça-feira (8). Segundo a agência, o clima político foi o principal motivador da decisão, fazendo-a reconsiderar publicar dados sobre assunto pela primeira vez em mais de uma década.

Ainda de acordo com a Brå, estudos anteriores mostraram que “uma grande quantidade de estrangeiros foi tida como suspeita em comparação com a quantidade de nativos. A grande maioria dos nascidos fora do país nunca nem foi suspeita de algum crime”, e adicionaram falando que não pensaram em fazer outro estudo para fornecer novos dados sobre o tema.

A agência reiterou anúncios anteriores em que falou que reunir dados relacionados aos históricos dos suspeitos não era parte de sua missão, e que nem o governo nem o judiciário pediram novos estudos sobre o assunto.

“É possível notar que a demanda social por informações atualizadas em relação à ligação entre crimes e imigração é tão grande que as autoridades precisam reconsiderar as possibilidades”, disse a empresa.

Henri Tham, professor de Criminologia, se opôs a novos estudos, alegando que dificilmente a agência encontraria novos dados.

“A meta da política criminal é reduzir os crimes como um todo e aumentar a segurança, não é reduzir a violência de jovens de tal país. Isto não afeta a taxa de crimes”, disse o professor.

Ele completou falando que um estudo seria usado para “fechar as fronteiras” ao invés de reduzir os crimes.

O anúncio veio após dois grandes jornais suecos conduzirem estudos próprios sobre a grande quantidade de imigrantes envolvidos em estupros coletivos.

 

Traduzida e adaptada de Breitbart
João Guilherme
João Guilherme
Estudante e interessado em política, história e religião.