Suíça impõe sanções à Venezuela e congela bens de membros da ditadura

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O governo da Suíça promulgou nesta quarta-feira (28) sanções contra a Venezuela e congelou os fundos de sete ministros e altos funcionários da ditadura de Nicolás Maduro.

A Suíça justificou as sanções alegando “violações aos direitos humanos e à deterioração do estado de direito e das instituições democráticas” no país.

As sanções, que já começaram a valer a partir de hoje (28), seguem assim as sanções impostas contra a Venezuela pela União Europeia, informou o Executivo suíço em comunicado.

Concretamente, o Conselho Federal da Suíça congelou fundos de sete ministros e ocupantes de altos cargos da Venezuela, que ficam proibidos de entrar na Suíça, embora o comunicado não especifique quem são.

Também foram congelados os bens de empresas e instituições venezuelanas que o comunicado também não nomeia. Além disso, o Conselho Federal estabeleceu um embargo que proíbe a venda, a exportação e o trânsito de equipamentos militares e os bens “suscetíveis de ser usados com fins repressivos”. Também está proibida a venda de equipamentos e tecnologias que possam servir para vigilância ou para interceptar comunicações telefônicas ou de internet.

O texto especifica que o governo da Suíça está:

Gravemente preocupado com as violações repetidas das liberdades individuais dos venezuelanos, onde o princípio da separação de poderes é severamente afetado e onde o processo para as próximas eleições sofre um forte déficit de legitimidade.

O Executivo suíço apela à Venezuela a “restaurar a integridade do processo eleitoral e a promover um espaço democrático inclusivo e plenamente respeitoso de seu marco constitucional e legal e de suas obrigações internacionais”.

 

Com informações de: [EM]

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.