Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Suíça impõe sanções à Venezuela e congela bens de membros da ditadura

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia
Venezuela's President Nicolas Maduro talks to the media after a meeting for signing an agreement on guarantees for the vote at the National Electoral Council (CNE) headquarters in Caracas, Venezuela March 2, 2018. REUTERS/Marco Bello

O governo da Suíça promulgou nesta quarta-feira (28) sanções contra a Venezuela e congelou os fundos de sete ministros e altos funcionários da ditadura de Nicolás Maduro.

A Suíça justificou as sanções alegando “violações aos direitos humanos e à deterioração do estado de direito e das instituições democráticas” no país.

As sanções, que já começaram a valer a partir de hoje (28), seguem assim as sanções impostas contra a Venezuela pela União Europeia, informou o Executivo suíço em comunicado.

Concretamente, o Conselho Federal da Suíça congelou fundos de sete ministros e ocupantes de altos cargos da Venezuela, que ficam proibidos de entrar na Suíça, embora o comunicado não especifique quem são.

Também foram congelados os bens de empresas e instituições venezuelanas que o comunicado também não nomeia. Além disso, o Conselho Federal estabeleceu um embargo que proíbe a venda, a exportação e o trânsito de equipamentos militares e os bens “suscetíveis de ser usados com fins repressivos”. Também está proibida a venda de equipamentos e tecnologias que possam servir para vigilância ou para interceptar comunicações telefônicas ou de internet.

O texto especifica que o governo da Suíça está:

Gravemente preocupado com as violações repetidas das liberdades individuais dos venezuelanos, onde o princípio da separação de poderes é severamente afetado e onde o processo para as próximas eleições sofre um forte déficit de legitimidade.

O Executivo suíço apela à Venezuela a “restaurar a integridade do processo eleitoral e a promover um espaço democrático inclusivo e plenamente respeitoso de seu marco constitucional e legal e de suas obrigações internacionais”.

 

Com informações de: [EM]

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Comentários

A RENOVA Mídia não se responsabiliza pelo conteúdo, opiniões e comentários dos visitantes do site. NÃO publique ofensas, discordar não é ofender. Caso encontre algum material com ofensas, denuncie. Lembre-se que ao comentar em nosso portal você concorda com estes Termos de Uso.

Outras Notícias