Português   English   Español

Testemunha ‘chora com medo’ de depor sobre operador tucano Paulo Preto

Twitter
WhatsApp
Facebook
Google+
LinkedIn
Pinterest

Após alegar ‘temer que algo acontecesse’, a testemunha vai depor em sala separada dos réus em ação sobre desvios na Dersa em suposto benefício de Paulo Vieira de Souza.

Uma testemunha da ação penal em que o ex-diretor da Dersa e suposto operador tucano, Paulo Preto, responde por desvios de R$ 7,7 milhões ligou chorando para o Ministério Público Federal, com medo de depor.

O ex-diretor de Engenharia da Dersa foi preso preventivamente no dia 5 de abril por suspeita de coagir uma mulher também acusada na ação. No dia 11, ele foi solto por ordem do ministro do STF, Gilmar Mendes, que viu falta de “comprovação’ das ameaças a testemunhas.

De acordo com informações do Estadão:

Em audiência na última sexta-feira, 18, o Ministério Público Federal afirmou que uma testemunha cujo nome está sob segredo ‘fez contato telefônico no dia 17/05/2018 com o Ministério Público Estadual, o qual passou-lhe o contato deste MPF, e que após a testemunha entrar em contato, falou com o funcionário Emerson, o qual nos relatou que a testemunha estava chorando, com medo de vir à audiência pois temia que algo lhe acontecesse e temia encontrar os réus’.

“Orientei ao funcionário Emerson que ligasse para esta 5ª Vara Federal Criminal para que a Justiça tomasse as providências necessárias a fim de garantir seu testemunho sem constrangimento”, afirmou o procurador.

Durante a audiência, uma das testemunhas, cujo nome também está em segredo, também foi ouvido sem a presença dos réus ’em razão de manifesto temor’, segundo consta na ata.

Twitter
WhatsApp
Facebook
Google+
LinkedIn
Pinterest

Deixe seu comentário

Veja também...