Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Testemunha contra Paulo Preto entra para programa de proteção

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Testemunha contra Paulo Preto entra para programa de proteção
COMPARTILHE

Enfrentando ameaças, testemunha contra Paulo Preto, apontado como operador do PSDB, entra para programa de proteção.

A principal testemunha na condenação a 145 anos de prisão de Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto e apontado pela Operação Lava Jato como o operador de propinas do PSDB, entrou para o Provita (Programa de Proteção a Vítimas e Testemunhas Ameaçadas) após seguidas ameaças de morte contra si e sua família.

Paulo Preto atuou principalmente em São Paulo durante o governo do senador tucano José Serra (2007-2010). Ele está preso preventivamente em Curitiba, após ter sido alvo da Ad Infinitum, 60ª fase da Lava Jato no Paraná.

O Ministério Público Federal (MPF) o acusa de ter operado propina para a Odebrecht e de ter movimentado ao menos R$ 135 milhões em contas na Suíça, de 2007 a 2017.

Na segunda-feira (24), a força-tarefa da Lava Jato conseguiu bloquear R$ 113 milhões de Paulo Preto localizados em um banco de Nassau, nas Bahamas.

Em 2018, no decorrer do processo, Paulo Preto chegou a ser preso por conta das ameaças contra a testemunha, mas foi solto alguns meses depois em um habeas corpus concedido pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com o advogado Emerson Flávio da Rocha, que representa a testemunha protegida M., as ameaças continuaram mesmo com a prisão, e a cliente foi incluída junto com toda a família no programa federal de proteção às testemunhas, informa o site UOL.

- PUBLICIDADE -
TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram