TJ-MG mantém pena de 20 anos para o tucano Eduardo Azeredo

Capa: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press

Três dos cinco desembargadores da 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais votaram pela autorização do mandado de prisão após esgotados todos os recursos na segunda instância.

Com o voto do desembargador Adilson Lamounier, já há maioria (3 a 1) na 5ª Câmara Criminal do TJ-MG para rejeitar os embargos infringentes do tucano Eduardo Azeredo.

De acordo com  O Antagonista, “antes dos votos, o procurador Antônio de Padova Marchi Júnior pediu que o tucano seja preso logo após o esgotamento dos recursos na segunda instância, seguindo a súmula do STF”.

Segundo informações do G1:

Por 3 votos a 1, os magistrados decidiram, até o momento, que permanece a condenação por peculato e lavagem de dinheiro no processo do mensalão tucano. Os magistrados também decidiram manter a decisão do julgamento de segunda instância de só autorizar o mandado de prisão contra Azeredo quando se esgotarem os recursos desta instância.

Os cinco desembargadores da 5ª Câmara Criminal analisam um recurso chamado embargos infringentes. Esse recurso foi apresentado pelos advogados de Azeredo depois de o tribunal manter a condenação do tucano em agosto do ano passado. O ex-governador foi condenado em primeira instância em dezembro de 2015.

De acordo com a denúncia, o mensalão tucano teria desviado recursos para a campanha eleitoral de Azeredo, que concorria à reeleição ao governo do estado, em 1998. Ele nega envolvimento nos crimes.

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia