Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Tradutora de Libras não sabia como chamar Haddad de poste

Tarciso Morais

Tarciso Morais

Tradutora de Libras não sabia como chamar Haddad de poste
COMPARTILHE

Fake news, comunismo e kit gay. Estes termos, tão presentes no vocabulário do presidente eleito Jair Bolsonaro não são difíceis de serem traduzidos para Libras (a Língua Brasileira de Sinais).

Angela Mariano Julião é professora de surdos e intérprete da língua para surdos. Ela também é uma das três profissionais que acompanham Jair Bolsonaro em seus discursos.

O desafio, ela conta, foi explicar para surdos e deficientes auditivos o apelido que Bolsonaro usava para chamar seu adversário, Fernando Haddad, durante a campanha: poste.

A tradutora explicou:

A equipe de Bolsonaro me explicou o contexto de que Haddad estaria obedecendo às ordens do Lula e, baseado nisso, fiz a interpretação. Eram quatro sinais: o de metáfora (a mão esquerda aberta e a direita pontua com o indicador a frente e as costas da direita), Haddad (que são os dedos em forma de H, como se fosse um chifrinho, girando em frente da testa), o de poste e o de rosto.

 

Adaptado da fonte UOL
- PUBLICIDADE -
TÓPICOS
COMPARTILHE
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram