Trump prova ser o presidente mais pró-vida na história americana

Twitter
Facebook
Google+
LinkedIn
Pinterest

Críticos do presidente americano se enfureceram, na semana passada, quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chamou os membros da gangue MS-13 de “animais”.

O que surpreende é que as mesmas pessoas que se revoltaram com a fala de Donald Trump ao desumanizar tais pessoas não veem problemas em fazer o mesmo com fetos inocentes.

Nenhum presidente defendeu o direito à vida das crianças não nascidas como Trump tem feito e isto é uma das razões para tantos Cristãos apoiarem sua administração.

Donald Trump foi aplaudido de pé durante a campanha anual pró-vida da Instituição Susan B Anthony.

Ele foi o primeiro presidente a reconhecer esta organização que já tem 26 anos de atuação. Ele também aproveitou a ocasião para fazer uma nova promessa, que seus predecessores não queriam ou não poderiam fazer: yma nova regra que impede o financiamento com receitas de impostos para abortos dentro do programa de planejamento familiar Title X.

Desde 1976 existe uma lei federal nos EUA proibindo o uso de fundos públicos para o aborto. Porém, hoje em dia, clínicas ligadas a Planned Parenthood, que recebe tais fundos, essencialmente recomenda às mulheres abortos nas próprias clinicas.

Com a Lei de Proteção à Vida, isto não será mais permitido.

Após três décadas de espera para os grupos pró-vida, esta lei é uma vitória. Reagan chegou a promulgar uma lei parecida em 1988 porém a mesma foi derrubada pela corte.

A administração George H.W. Bush lutou pela retomada da lei, inclusive na Suprema Corte americana, mas, em 1991, Bill Clinton assumiu a presidência e removeu a legislação.

Atitudes como esta de Trump fizeram a esquerda americana reclamar publicamente, citando inclusive que tal regra poderia acabar com a Planned Parenthood, o que está longe de ser verdade já que a mesma recebe mais de 75% de suas receitas através do Medicaid, que não será impactado.

Pesquisa recente nos Estados Unidos informou que 60% dos americanos são contra o uso de dinheiro público para clínicas de aborto e as decisões de Trump vão de encontro com a opinião pública.

Trump já reduziu fundos pró-aborto das Nações Unidas e autorizou que organizações contra o aborto não fossem forçadas a distribuir pílulas abortivas através do programa Obamacare.

Em seu discurso, Trump reiterou que “toda vida é sagrada e toda criança é um presente de Deus”.

 

Adaptação do WaPo de Daniel Silva no Projeto Voluntários
Twitter
Facebook
Google+
LinkedIn
Pinterest

Isso também pode te interessar

Deixe seu comentário

Anunciante
e-consulters
Parceiro

Assine nossa Newsletter!

Preencha o formulário para assinar.

Nome Email
newsletter

Últimas publicações