Trump reforça proteção para médicos que se opõem ao aborto

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos anunciou a criação da Divisão de Consciência e Liberdade Religiosa.

Mais de oito meses desde que o presidente Trump assinou uma ordem executiva instruindo as agências para expandir a liberdade religiosa sob a lei federal, sua administração apresentou alguns resultados nesta quinta-feira (18/01).

O anúncio da criação da nova divisão é uma reação aos vários regulamentos da era Obama – incluindo o requisito do Obamacare de que os empregadores devem fornecer contraceptivos para seus funcionários ou receber multas, uma demanda absurda, segundo disseram os críticos conservadores.

Embora o Supremo Tribunal de Justiça tenha anulado essa questão do anticoncepcional, houve inúmeros outros abusos dos direitos civis durante o período em que o ex-presidente Obama esteve no poder.

Por exemplo, Sara Hellwege, uma parteira certificada, afirma que foi rejeitada por um emprego em um centro de saúde por causa de suas visões pró-vida.

O Ministério de Saúde garante que a nova Divisão de Consciência torna mais fácil para médicos, enfermeiros e outros provedores de saúde optar por excluir serviços que violem suas crenças morais ou religiosas. E assegurará que hospitais, clínicas e outros centros de saúde acomodem crenças religiosas.

Com as mudanças, profissionais da área da saúde que tenham objeções morais ou religiosas a determinadas práticas médicas podem se declarar impedidos de atuar, sem sofrer punições.

Para não perder o costume, ativistas de esquerda criticaram a medida alegando que ela facilita a discriminação por parte dos profissionais da saúde contra homossexuais.

A Liga Nacional pelos Direitos do Aborto disse em comunicado que o Departamento de Saúde da administração Trump é um lugar onde “ciência, ética e preocupação com o bem-estar de todos os americanos são inexistentes”.

No entanto, a decisão anima ainda mais a base de Trump, especialmente os evangélicos. Cerca de 63% deles aprovam o trabalho que o presidente está fazendo.

 

Com informações de: [FoxNews]

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.