União Europeia pede mais sanções contra ditadura Maduro

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O Parlamento da União Europeia exigiu nesta quinta-feira (08/02) a extensão das sanções impostas contra membros do alto escalão venezuelano, incluindo o ditador Nicolás Maduro, e condenou a expulsão do embaixador espanhol em Caracas, Jesús Silva.

No final do ano passado, Maduro entrou em choque com a União Europeia após o grupo impor uma série de sanções contra o país.

Insatisfeito com as sanções, que classificou como agressão a soberania da Venezuela,  Maduro expulsou o embaixador da Espanha do país. O governo espanhol tomou medida recíproca.

De acordo com informações publicadas nesta quinta-feira pela Jovem Pan:

A resolução de populares, liberais e conservadores e reformistas da Eurocâmara sobre a situação da Venezuela, que conseguiu o apoio, entre outros, dos social-democratas, foi aprovada por 480 votos a favor, 51 contra e 70 abstenções.

O texto considera “apropriadas” as sanções já aprovadas contra alguns dirigentes, mas aponta que deveriam ser “ampliadas” para os “principais responsáveis pelo aumento da crise política, social, econômica e humanitária” na Venezuela.

Além disso, o texto pede o aumento das sanções econômicas e diplomáticas se a situação se deteriorar e cita a estatal Petróleos de Venezuela S.A. (PDVSA).

No último dia 22 de janeiro, a UE formalizou sanções contra o “número dois” do chavismo, Diosdado Cabello; o presidente do Tribunal Supremo, Maikel Moreno; e o ministro de Interior e Justiça, Néstor Reverol, pela “repressão” na Venezuela.

Além disso, também estão na lista de sancionados o chefe do serviço de inteligência, Gustavo González; a presidente do Conselho Nacional Eleitoral, Tibisay Lucena; o procurador-geral, Tarek William Saab, e o ex-comandante da Guarda Nacional Bolivariana Antonio José Benavides.

Além das sanções, o texto dos grupos conservadores e liberais do PE condena o fato de a Assembleia Nacional Constituinte ter convocado eleições em abril sem as garantias suficientes e exige um “calendário eleitoral viável”.

A Eurocâmara também condena a expulsão do embaixador espanhol na Venezuela, Jesús Silva, após a decisão unânime dos Estados membros da UE de impor sanções a sete dirigentes do regime venezuelano.

Por último, o texto exige o fim da violência e da crise humanitária no país, a libertação dos presos políticos e insiste no envio de uma delegação do PE a Caracas.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.