Valeixo não aponta interferência direta de Bolsonaro na PF

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Valeixo disse ao interrogadores que “entendia que havia encerrado seu ciclo no comando da PF”.

O delegado Maurício Valeixo, ex-diretor da Polícia Federal (PF), prestou um longo depoimento, nesta segunda-feira (11), que encheu 12 páginas.

Questionado pelos investigadores sobre quase todos os casos que envolvem amigos, aliados e integrantes do clã presidencial, Valeixo não apontou nenhuma interferência direta de Jair Bolsonaro na corporação, destaca a revista Veja.

O delegado confirmou, no entanto, ter deixado o cargo por desgastes, citando as investidas do chefe do Executivo para trocar o superintendente da PF no Rio de Janeiro e em Pernambuco.

Em determinado momento do interrogatório, Valeixo disse que Bolsonaro gostaria de uma diretor-geral com quem “tivesse maior afinidade”:

“Em duas oportunidades, uma presencialmente, outra pelo telefone, o presidente da República teria dito ao depoente que gostaria de nomear ao cargo de diretor-geral alguém que tivesse maior afinidade, não apresentando nenhum tipo de problema contra a pessoa do depoente; que o depoente registra que o presidente nunca tratou diretamente com ele sobre troca de superintendentes nem nunca lhe pediu relatórios de inteligência ou informações sobre investigações ou inquéritos policiais.”

Em outro trecho do depoimento, o investigador perguntou a Valeixo:

“A Presidência da República solicitou ao depoente algum dado sobre investigação policial em curso, seja pelo nome de relatório de inteligência ou informação policial?”

A resposta de Valeixo: “Não”.

O interrogador cotinuou:

“Em algum momento a Presidência da República reclamou com Valeixo o não envio de relatórios de inteligência.”

“Não”, respondeu Valeixo.

No interrogatório, ainda segundo a revista Veja, o delegado deixa evidente a decisão de não avançar nas declarações prestadas pelo ex-ministro Sergio Moro no depoimento.

As conversas sobre sua substituição, diz ele, eram tratadas sem sua presença, entre Moro e Bolsonaro.

Valeixo confirma a versão de que desejava sair do cargo por considerar que “o melhor para a Polícia Federal seria sua substituição”.

Valeixo também disse que “entendia que havia encerrado seu ciclo no comando da PF”.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.