Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch
Português   English   Español   Italiano   Français   Deutsch

Veja recorre ao STF para entrevistar esfaqueador de Bolsonaro

Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia
Veja recorre ao STF para entrevistar o esfaqueador de Bolsonaro

O ministro Gilmar Mendes, do STF, será o responsável por dar, ou não, autorização à revista Veja para que entreviste Adélio Bispo, preso por esfaquear o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Uma reclamação foi protocolada pelo Grupo Abril no STF, nesta sexta-feira (28), contra decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região que proibiu a veiculação de entrevistas de Bispo. O caso foi distribuído a Gilmar Mendes.

Para o desembargador Nino Oliveira Toldo, relator do caso no TRF-3, ainda correm investigações sobre atos que podem ser classificados como crime contra a segurança nacional. A publicação de uma entrevista, neste caso, poderia interferir, inclusive, no processo eleitoral.

Depois da detenção, diversos veículos de comunicação pediram autorização para entrevistar o esfaqueador de Bolsonaro.

Em 19 de setembro, o juiz corregedor da Penitenciária Federal de Campo Grande, onde ele está, proferiu decisão autorizando entrevista das equipes da revista Veja e do SBT. A administração da unidade prisional apresentou pedido de reconsideração, que foi negado.

Outra questão importante para o desembargador é a condição mental do investigado. Ele pontuou:

Primeiro porque não se sabe se há ou não consentimento válido para a realização da reportagem e da entrevista, por parte de Adélio Bispo dos Santos, que, em tese, pode sofrer de distúrbio mental a macular seu discernimento e autodeterminação. Depois, porque a ele é assegurado o direito ao silêncio e o que disser no curso de eventual entrevista poderá ser prejudicial à sua defesa, haja vista que as investigações ainda não foram concluídas.

 

Adaptado da fonte ConJur

Compartilhe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email