Venezuela e Nicarágua dominarão debates na assembleia da OEA

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O acirramento da repressão governamental na Nicarágua e a crise política e econômica na ditadura da Venezuela vão dominar as discussões da 48ª Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA).

A reunião começa nesta segunda-feira (4), em Washington, capital dos Estados Unidos, e termina amanhã. O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, representa o Brasil.

Alguns dos representantes dos 35 países que compõem a OEA estudam aprovar até amanhã uma resolução em que questionam a legitimidade do “governo” reeleito de Nicolás Maduro, na Venezuela.

Também há a hipótese de ser aprovada uma decisão com uma série de sanções ao país.

De acordo com informações da Agência Brasil:

“Só a Justiça é capaz de recuperar a Nicarágua”, alertou o secretário-geral da OEA, o uruguaio Luis Almagro, que é fortemente criticado por autoridades da Venezuela e da Bolívia. “Eleições livres são o único caminho para a Nicarágua.”

Duas propostas estão em discussão na Nicarágua, que vive em clima de embates desde abril, registrando pelo menos 110 mortos em conseqüência de protestos contra o governo de Daniel Ortega.

Uma recomendação apresentada pelos Estados Unidos sugere medidas duras contra o governo Ortega. Outra que, ao que tudo indica tem maioria, propõe o envio de observadores estrangeiros ao país. Desde 18 de abril, manifestações dominam a Nicarágua em protesto contra a reforma da Previdência e a falta de liberdade de expressão. As repressões policiais são intensas e os embates constantes.

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.