Venezuelanos precisam pagar ao Exército para receber água

As forças armadas da Venezuela passaram a supervisionar o comércio lucrativo da água, já que os reservatórios estão cada vez mais vazios por causa da tubulação danificada e da fuga dos funcionários qualificados.

Os sete pontos de acesso principais da capital Caracas são agora dirigidos por soldados ou policiais, que também assumiram o controle total de todos os caminhões pipa públicos e privados.

Extraoficialmente, os soldados esperam os motoristas em locais de entrega de água e fazem com que eles enviem as mercadorias em endereços escolhidos a dedo pelos próprios militares.

O regime do ditador Nicolás Maduro entregou a lucrativa indústria aos militares, enquanto o colapso econômico aumenta no país.

Maduro promoveu centenas de oficiais desde que se tornou presidente em 2013. No momento, há cerca de 1.000 generais ativos e aposentados, almirantes e oficiais em cargos públicos, e oficiais militares ocupam 9 de 32 cargos no gabinete.

“O setor de água foi completamente tomado por causa de um governo que acredita que os militares podem colocar ordem nas coisas”, disse Norberto Bausson, que era o chefe da Hidrocapital na década de 1990. “Se no topo dessa incompetência institucional, você adicionar um ano seco, então as conseqüências serão tremendas.”

 

Traduzido e adaptado de BloombergQuint
Tarciso Morais
Tarciso Morais
Fundador e editor-chefe da RENOVA Mídia