Witzel nega crimes, ataca delator e desafia PGR

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O governador Wilson Witzel (PSC), do Rio de Janeiro, afirmou à imprensa, nesta sexta-feira (28), que está sendo “massacrado politicamente”.

Em entrevista à imprensa após ser afastado do cargo pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça), Witzel disse há interesses poderosos que não o querem governando o estado do Rio:

“Minha indignação é de um cidadão que está aqui com o compromisso de governar o estado, reduzir os índices de criminalidade, enfrentando todas as dificuldades. Querem me tirar do governo, organizações criminosas estão perdendo dinheiro.”

A denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Witzel ocorreu na esteira da homologação do acordo de colaboração premiada do ex-secretário de Saúde, Edmar Santos.

Santos foi solto no início do mês. Witzel criticou um suposto uso político do instituto da delação premiada:

“Reafirmo que não tenho medo de delação, porque a delação desse canalha do Edmar é mentirosa. Foi pego com a boca na botija.”

Segundo o jornal Folha, o governador, que foi afastado por 180 dias, desafiou a subprocuradora-geral da República, Lindôra Maria Araújo, a apresentar provas:

“Quero que ela apresente um único email, um único telefonema, uma prova testemunhal, um pedaço de papel, em que eu tenha pedido qualquer tipo de vantagem ilícita para mim. […] Não existe nenhum ato de corrupção na decisão de afastamento e na representação. Que provas são essas que eu sou o chefe da organização criminosa? Para ser chefe, você tem que praticar ato ilícito. Qual foi o ato que eu pratiquei? Nunca, não vão achar.”

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.