YouTubers apagam posts para fugir da patrulha politicamente correta

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

O caso de Julio Cocielo, youtuber acusado de racismo por conta de comentários de anos atrás, acendeu o sinal de alerta em grandes empresas que apostam no marketing com influenciadores.

Com a intensa repercussão do episódio nas redes sociais, Julio Cocielo perdeu o patrocínio da Adidas, Itaú e Submarino.

Para evitar este desgaste, marcas que apostam no marketing com influenciadores digitais já estão procurando ajuda.

Na consultoria Bites, a demanda por análises de risco sobre essas personalidades cresceu mais de 40% nas últimas 48 horas, em relação ao mês anterior.

Em uma pesquisa feita nesta quinta-feira (5), foi observado que alguns influenciadores estão apagando posts politicamente incorretos que possam afetar seus contratos milionários.

É o caso de Whindersson Nunes, dono do segundo maior canal no YouTube no Brasil e garoto-propaganda da Oi. Duas publicações antigas dele falando sobre homossexualidade foram removidas.

Outro exemplo é Felipe Neto, que assume ter apagado vários comentários nos últimos anos.

 

Com informações de O Globo

TÓPICOS

COMPARTILHE

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no email

Newsletter

Receba as principais notícias do dia, assine nossa newsletter gratuita.